A importância da equipe multiprofissional no tratamento bariátrico – Cid Pitombo

A importância da equipe multiprofissional no tratamento bariátrico

2021-02-02T21:03:06+00:00 02/02/2021|

 

Em uma publicação na Folha de São Paulo, o conhecido publicitário Nizan Guanaes comenta que fez cirurgia bariátrica há muitos anos, porque pesava 150 quilos. E revela que sem se preparar antes e receber o devido acompanhamento depois, se tornou alcoólatra, como segundo ele, aconteceria muito com quem faz bariátrica. Revela ainda que para cuidar dos seus excessos de cigarros, bebidas, cafés, refrigerantes e remédios para dormir – conheceu seu médico psiquiatra Arthur Guerra. Nizan conta que o médico transformou sua vida tirando esses remédios e lhe entupindo de esportes. E depois fecha seu relato refletindo sobre a felicidade. “Ser feliz é quase uma dieta, uma alimentação balanceada da alma. Que mistura bens materiais e, principalmente, imateriais”, disse Nizan.

Este texto foi muito compartilhado nas redes e achei importante esclarecer para vocês que, na verdade, obesos operados e que foram mal preparados ou indicados, depois da cirurgia,  viverão uma vida como todos nós. Viver, nos leva a momentos felizes e também muitos momentos de incertezas, tristeza, insegurança, perdas…viver sempre foi uma “tarefa” difícil, que nos faz necessitar de equilíbrio. Então, os pacientes operados, tem que ser monitorados, para que não fujam para o álcool, comidas inadequadas…

Em geral, momentaneamente “reencontram” motivos para serem “felizes”…se apegam a atividades físicas rigorosas, esportes radicais…gastam dinheiro comprando bicicletas caríssimas, equipamentos de alpinismo, corrida…mas cedo ou tarde, tudo isso é guardado em algum canto, e a “vontade” de se auto destruir retorna. Esse momento da euforia, leva a textos como esse, mas em geral, é um texto “curto”, que em breve ele não terá mais o que falar.

Entender o porquê que para ele não deu certo é muito mais complexo que um simples estimular ao óbvio: boa alimentação e esportes vigorosos. No caso do obeso operado, o mal preparo e indicação da cirurgia, bem como o acompanhamento inadequado, leva, em geral, para os pacientes de resultado ruim, uma momentânea “nova” vontade de lutar…mas, na verdade, são como as Imunoglobulinas de quem já teve Covid, são “temporárias”… o que o obeso com resultado ruim precisa é de uma “vacina”, pois aí sim terá “imunoglobulinas” permanentes…mas essa, é difícil de produzir.

Portanto, assim como na Covid, proteja-se, tenha uma boa indicação, saiba se realmente é a hora de ser operado. E entendam a importância da equipe multidisciplinar que acompanha os obesos. Cuidar da nutrição e do psicológico são fundamentais. A alimentação exagerada ou focada em alimentos que dão mais prazer, como o doce ou a gordura, é também um comportamento de quem tem ansiedade, depressão…uma forma de aliviar o estresse…portanto, cuide-se integralmente!